CARNITINA – Emagrecimento & Aplicações Clínicas

A carnitina tem função fundamental na geração de energia pela célula, pois age nas reações transferidoras de ácidos graxos livres (gorduras) do citosol (interior da célula) para mitocôndrias (organela responsável pela geração de energia), facilitando sua oxidação e geração de ATP. Portanto, torna possível a utilização de gordura para o fornecimento de energia. Assim, exerce papel fundamental no balanço energético das membranas celulares e do metabolismo energético dos tecidos que possuem grande parte da sua energia derivada da oxidação de ácidos graxos, como o músculo cardíaco e esquelético. Embora a carnitina desempenhe o seu papel principal no metabolismo de ácidos graxos, ela também aumenta a utilização de carboidratos.

licaps-lcarnitine-400px
L-carnitina Licaps

Atualmente, há evidências demonstrando que a carnitina também pode desempenhar propriedades antioxidantes, diminuindo significativamente a peroxidação lipídica (degradação de gorduras – libera muitos radicais livres).

Além disso, a suplementação de L-carnitina tem aplicações clínicas, porque pode aumentar o fluxo sanguíneo aos músculos devido também ao seu efeito vasodilatador e antioxidante, reduzindo assim, algumas complicações de doenças isquêmicas, como a doença arterial coronariana, e as consequências da neuropatia diabética.

O músculo cardíaco não é capaz de sintetizar carnitina. O coração é o órgão mais afetado pela sua deficiência, sendo observadas disfunções como cardiomiopatia, arritmias (devido ao acúmulo de ácidos graxos de cadeia longa e acilcarnitinas que não podem ser oxidadas), insuficiências cardíaca e respiratória. A L-carnitina modula simultaneamente diversas vias metabólicas fornecendo propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que podem justificar o uso terapêutico dessa substância como um agente protetor de doenças cardiovasculares e hipertensão arterial.

Em relação a neuropatia diabética, os efeitos benéficos da carnitina observados foram relacionados ao aumento do fluxo sanguíneo, ação antioxidante e transporte de ácidos graxos essenciais. A L-carnitina pode ser um fator protetor importante na neuropatia desenvolvida em indivíduos diabéticos, estimulando a regeneração das fibras nervosas.

Inúmeras pesquisas ainda são direcionadas ao tratamento farmacológico de diversas doenças e pouca atenção tem sido dada às condutas nutricionais ou não farmacológicas que poderiam apresentar resultados similares ou superiores, além de outras vantagens como baixo custo e facilidade de obtenção e administração. A suplementação de carnitina é promissora, uma vez que não é onerosa e se mostra segura.

A melhora das condições clínicas citadas nos estudos clínicos e experimentais, o aumento da tolerância ao exercício físico, a melhor qualidade e maior expectativa de vida dos portadores de enfermidades crônicas são observados, especialmente nos pacientes com baixos níveis sanguíneos e/ou teciduais de carnitina e naqueles com prejuízos funcionais mais pronunciados.


 

Referências:

CELIK, F.; KOSE, M.; YILMAZER, M.; KOKEN, G. N.; ARIOZ, D. T.; KANAT, P. M.; Plasma L-carnitine levels of obese and non-obese polycystic ovary syndrome patients. J Obstet Gynaecol. V. 17, n.4, p. 1-34, 2017.
COSTA, N. M.; RAIZEL, R.; SANTINI, E.; FILHO, A. D. R. Suplementos alimentares para o emagrecimento: eficácia questionável. Revista brasileira de Nutrição Esportiva. Cuiabá, v. 6, n. 31, p. 25-32.
DEANE, C. S.; WILKINSON, D. J.; PHILLIPS, B. E.; SMITH, K.; ETHERIDGE, T.; ATHERTON, P. J. “Nutraceuticals” in relation to human skeletal muscle and exercise.  American Journal of Physiology-Endocrinology and Metabolism. v, 17, n. 17, p. 1-16, 2017.
FARIA, C. C.; MOTA, J. F.; EUCLÉSIO, B.; BURINI, R. C. Aplicações clínicas da suplementação de L-carnitina. Revista de Nutrição. Botucatu, v. 18, n. 5, p. 651-659, 2005.
GOLDBERG, E. L.; DIXIT, V. D.; Carnitine acetyltransferase (CRAT) expression in macrophages is dispensable for nutrient stress sensing and inflammation. Molecular Metabolism. New Haven, v. 6, n. 2, p. 219-225, 2016.
NALECZ, K. A.; NALECZ, M. J. Carnitine – mitochondria and beyond. Postepy Biochem. Poland, v. 62, N. 2, 2016.
SEMBA, R. D.; TREHAN, I.; LI, X.; MOADDEL, R.; ORDIZ, I.; MALETA, K. M.; KRAEMER, K.; SHARDELL, M.; FERRUCCI, L.; MANAY, M. Environmental Enteric Dysfunction is Associated with Carnitine Deficiency and Altered Fatty Acid Oxidation. Ebiomedicine. V. 17, N. 17, 2017.

MATCHÁ: propriedades emagrecedoras

 

leafs_img-1O matchá, é produzido a partir da mesma planta do chá verde (Camellia sinensis), porém com algumas especificidades que o fazem ainda mais benéfico à saúde: o matchá advém de árvores plantadas na sombra cujas folhas são selecionadas e criteriosamente colhidas; em seguida, passam por moinhos de pedra artesanais para remover as veias, hastes e impurezas e depois são transformadas em um pó fino. A ingestão de matchá, por sua forma de apresentação (pó extremamente fino), permite a ingestão de uma grande quantidade de folhas de chá verde e seus componentes em nosso corpo, muito além da quantidade que a infusão comum do chá verde permite.

Os principais componentes do matchá são as catequinas, muito conhecidas por suas atividades antioxidantes e anti-inflamatórias, além de contribuirem para perda de peso e exercer função hipoglicemiante.

Evidências sugerem que o matchá apresenta efeito positivo na redução e manutenção da obesidade por reduzir o apetite e aumentar o catabolismo de gorduras. Acredita-se que este efeito não se restrinja às catequinas, pois o matchá é constituído também pela cafeína, a qual é capaz de potencializar a termogênese, pelo aumento da liberação de noradrenalina nas terminações nervosas simpáticas. A função termogênica e de oxidação dos lipídeos pela cafeína é limitada a curto prazo, enquanto que a associação desta com as catequinas, presentes no matchá, prolongam este efeito.

Outros estudos evidenciaram as propriedades hipoglicemiantes do matchá. Demonstraram que ele tem a capacidade de aumentar a sensibilidade à insulina, associando este efeito ao seu conteúdo de polifenóis. Demonstraram também que o matchá pode diminuir a resistência à insulina pelo aumento da atividade do transportador de glicose GLUT4.

É sugerido que a perda de peso esteja relacionada à melhora da glicemia, uma vez que o excesso de gordura corporal está associado ao aumento do estado inflamatório e oxidativo que desencadeiam mecanismos regulatórios não ordenados. Considerando que esses mecanismos aumentam o risco de desenvolvimento de resistência à insulina e, posteriormente, de Diabetes Mellitus do tipo2, alguns autores demonstraram que o matchá tem efeito protetor sobre o controle da glicemia. Seus constituintes fenólicos, principalmente a epigalocatequina – 3 – galato (EGCG), estimulam as células beta pancreáticas a aumentarem a secreção da insulina pós-prandial e, consequentemente, favorecem o funcionamento do pâncreas.

Também induz o aumento da captação de glicose por meio da translocação do GLUT4 nos adipócitos e músculo esquelético. A EGCG ainda pode reduzir a absorção de carboidratos e a produção hepática de glicose. As catequinas do matchá podem ainda inibir a diferenciação e proliferação de adipócitos, promover a redução da absorção de gordura e proporcionar uma redução do percentual de gordura corporal, favorecendo o controle das alterações glicêmicas.

Além de seu papel no emagrecimento, o matchá ainda tem propriedades extremamente benéficas ao organismo, como a prevenção de neoplasias malignas, e prevenção de doenças cardiovasculares.

 

Referências:

BATISTA, G. A. P.; CUNHA, C. L. P.; SCARTEZINI, M.; HEYDE, R. V. D.; BITENCOURT, M. G.; MELO, S. F. Estudo Prospectivo, Duplo Cego e Cruzado da Camellia Sinensis (Chá Verde) nas Dislipidemias. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Lapa, v. 93, n. 2, p. 128-134, 2009.

FREITAS, H. C. P.; NAVARRO, F. O chá verde induz o emagrecimento e auxilia no tratamento da obesidade e suas comorbidades. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e emagrecimento. São Paulo v. 1, n. 2, p. 16-23, 2007

UEMOTO, M. Y.; COIMBRA, C. C. B. E. A utilização da Camellia sinensis na prevenção e tratamento da obesidade. Revista UNINGÁ Review. V.16, n.2,p.19-26, 2013.

BELTRAN, C. C.; SILVA, N. A.; GRIGNOLI, L. C. E.; SIMIONATO, M. I. V.; GRIGNOLI, C. R. E. Os benefícios do chá verde no metabolismo dá gordura corporal. Revista Científica da FHO|UNIARARAS. Araras, v. 2, n. 1, p. 41-49, 2014.

THIELECKE, F.; BOSCHMANN, M. The potential role of green tea catechins in the prevention of the metabolic syndrome – A review. Phytochemistry. Berlin, v. 09, n. 70, p. 11-24, 2009.

FUJIOKA, K.; IWAMOTO, T.; SHIMA, H.; TOMARU, K.; SAITO, H.; OHTSUKA, M.; YOSHIDOME, A.; KAWAMURA, Y.;  MANOME, Y. The Powdering Process with a Set of Ceramic Mills for Green Tea Promoted Catechin Extraction and the ROS Inhibition Effect. Molecules. V. 21, n. 4, p. 474-482, 2016.

DULLOO, A. G.; SEYDOUX, L.; GIRARDIER, L.; CHANTRE, P.; VANDERMANDER, J. Green tea and thermogenisis: interaction between catechin-polyphenols, caffeine and sympathetic activity. International Journal of Obesity, London, v. 24, n. 2, p. 252 – 258, 2000.